Governo federal americano ajusta estratégia de entrada COVID-19 para passageiros aéreos internacionais

À medida que a pandemia COVID-19 continua, o Governo dos Estados Unidos (USG) está inovando e adotando uma nova abordagem para ajudar a manter a saúde dos passageiros aéreos internacionais. A estratégia nova e mais eficaz concentra-se na continuidade da viagem e no passageiro individual, incluindo educação antes da partida e depois da chegada, esforços para desenvolver uma estrutura de teste potencial com parceiros internacionais e resposta a doenças. Essa estratégia é consistente com a fase atual da pandemia e protege de forma mais eficaz a saúde do público americano.

A partir de 14 de setembro de 2020, o USG removerá os requisitos para direcionar todos os voos que transportam passageiros de companhias aéreas que chegam de, ou estiveram presentes recentemente em, determinados países para pousar em um dos 15 aeroportos designados e interromper o exame de saúde de entrada aprimorado para esses passageiros. Atualmente, a triagem de saúde de entrada avançada é conduzida para aqueles que chegam de, ou com presença recente na, China (excluindo as Regiões Administrativas Especiais de Hong Kong e Macau), Irã, região Schengen da Europa, Reino Unido (excluindo territórios ultramarinos fora de Europa), Irlanda e Brasil.

Agora temos um melhor entendimento da transmissão de COVID-19, que indica que o rastreamento baseado em sintomas tem eficácia limitada, porque as pessoas com COVID-19 podem não ter sintomas ou febre no momento do rastreamento, ou apenas sintomas leves. A transmissão do vírus pode ocorrer em passageiros sem sintomas ou que ainda não desenvolveram sintomas de infecção. Portanto, o CDC está mudando sua estratégia e priorizando outras medidas de saúde pública para reduzir o risco de transmissão de doenças relacionadas a viagens.

Em vez disso, os recursos do USG serão dedicados a esforços de mitigação mais eficazes com foco no passageiro individual, incluindo: educação de saúde pré-embarque, durante o voo e pós-chegada para os passageiros; resposta robusta a doenças em aeroportos; coleta voluntária de informações de contato de passageiros por meio eletrônico, conforme proposto por algumas companhias aéreas, para evitar longas filas, aglomeração e atrasos associados à coleta manual de dados; teste potencial para reduzir o risco de transmissão do vírus relacionado a viagens que causa COVID-19 e movimento do vírus de um local para outro; avaliações de risco específicas do país para ajudar os passageiros a tomar decisões informadas sobre os riscos relacionados à viagem; aprimoramento do treinamento e educação de parceiros no setor de transporte e nos portos de entrada dos Estados Unidos para garantir o reconhecimento da doença e notificação imediata ao CDC; e recomendações de passageiros após a chegada para automonitoramento e precauções para proteger os outros, com precauções aprimoradas, incluindo ficar em casa o máximo possível por 14 dias para pessoas que chegam de destinos de alto risco.

Ao redirecionar nossos esforços de mitigação para o risco individual do passageiro em toda a viagem aérea, o USG pode proteger a saúde do público americano de maneira mais eficaz.

Fonte: CDC

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp chat